Compre seu perfume original aqui e ajude a manter este Blog!

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Desodorante Rosalie

Mais uma crise de saudosismo!
Quando redescobri o frasco desse mimo, por acaso, na Net, disse: - eu preciso compartilhar isso com meus leitores queridos.
Sei que as impressões que cercam nossas lembranças são muito subjetivas. O que me toca profundamente pode nem fazer cócegas em outro. É claro, porém, que há uma possiblidade maior de encontrarmos algum correspondente para essas impressões quando resolvemos falar delas. E por isso resolvi falar de Rosalie - Desodorante.
Não tenho o hábito de resenhas ou comentários sobre desodorantes, mas, por outro lado, entendo que um blog que fala de fragrâncias não pode ignorar uma ou outra fragrância marcante simplesmente por figurar em um desodorante.
Conheci Rosalie quando criança. Lembro-me de vê-lo sobre a penteadeira de minha mãe. Ela o comprou num desses chás da tarde, antigamente muito comuns, promovidos por consultoras, as quais expunham seus produtos como demonstradores. Vendia-se de tudo: cremes, shampoos, desodorantes, perfumes, sabonetes, gel de massagem (o doutorzinho) etc.
Minha mãe comprou o Rosalie...
Aquele frasco rosa, gordinho e pequeno ... Aquele aroma floral, bem fresco e cintilante, bem romântico e orvalhado, com notas de rosas frescas e há pouco desabrochadas... Isso marcou minha memória.
O curioso é que me esqueci completamente dessa fragrância, até que conheci Glow, de JLo... Alguma coisa ali despertou minha lembrança... Acho que isto, exatamente: a combinação floral típica dos anos 80 envolvida por um arranque mais fresco, mais leve e estimulante...
Também me lembra Rosalie o famoso Eternity, de CK e uma das raridades que a querida Sarah me enviou: Remember Me, de Dior.
Hoje procuro essa preciosidade. Até encontrei a marca na Net: a outrora bem famosa Christian Grey. O desodorante até aparece, com seu talquinho companheiro, mas "esgotado". Espero em breve poder sentir esse cheirinho que só Rosalie tem.
..........
Alguém conheceu esse cheirinho? Compartilhe!

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Perfumes bons ou baratos? Tenho que escolher?

É com prazer que escrevo meu primeiro post que participará da mesa-redonda de um grupo de amantes de perfumes, os quais citarei ao final deste.



A proposta é interessante: "Perfumes com preços acessíveis, os favoritos". Curioso notar que há duas maneiras de tomarmos a proposta, no que diz respeito à interpretação do sintagma "os favoritos". Ou seja, os perfumes com preço acessível são os favoritos ou quais são os perfumes favoritos com preço acessível?
Bem, não farei aqui uma relação de perfumes bons e com bom preço. Quero, em vez disso, gerar uma pequena reflexão a respeito do tema. Independente do caminho que se tome, cabe, antes de mais nada, pensarmos no que pode tornar um perfume tão caro.
Fatores como marca, matéria-prima e distribuição são determinantes, além dos impostos e de outros quesitos, como a publicidade, narizes envolvidos, designers etc.  
Por exemplo: marcas como Chanel, Dior, Gucci, YSL, Givenchy entre outras são consagradas e só por isso já encarecem um perfume. Matérias-primas, quando naturais, custam mais que o dobro, às vezes, que um correspondente sintético. A íris e a tuberosa são exemplos disso. A escassez proposital de um perfume em lojas do ramo também pode levá-lo a preços meteóricos. São estratégias criadas para valorizar um produto e distanciá-lo do apelo popular. Paradoxalmente, com tal manobra, o perfume passa a ser reconhecido e desejado por todos, mas obtido por poucos. Isso me lembra a estratégia de marketing da cantora Marisa Monte: quando fazia seus shows nas boates de Ipanema, Leblon, arrancava elogios e delírios dos maiores críticos de música. Recebeu muitos convites pra gravar, mas resistiu enquanto pode. Quando lançou seu primeiro disco, foi aquele sucesso, obviamente. Ainda hoje a cantora mantém certo controle sobre o fluxo de gravações, chegando a ficar até dois anos sem lançar um disco, para delírio, ansiedade e desespero dos fãs.
Bem... voltando aos perfumes, há muitas empresas, inclusive francesas, que copiam grandes obras. Não que sejam tão aquém de uma obra-de-arte, mas são alvos de preconceito por parte dos mais exigentes e amantes dos perfumes famosos. Eu também me posiciono contra a cópia desavergonhada de certos perfumes, quando, claramente, até os nomes, ao sofrerem pequenas alterações gráficas e fonéticas, remetem-nos imediatamente aos perfumes originais. Ou o desenho da caixa... Claro: isso é ilegal. Mesmo assim, algumas empresas copiadoras conseguem se aproximar bastante dos lendários e cobram pelas falsificações preços bem mais em conta.
Há também aqueles que se inspiram num tema e até mesmo em uma obra. Não fazem, entretanto, referência alguma ao seu "muso inspirador", nem no nome, nem no design do frasco ou da caixa. São criações que, evidentemente, foram baseadas nesta ou naquela fragrância, porém o fato de se manter certo respeito em relação ao original já me conforta (claro que isso também pode ser cômodo pra mim). No Brasil, por exemplo, temos inúmeras criações de marcas bem conhecidas por aqui "inspiradas" em grandes perfumes internacionais (não vem ao caso citarmos agora).
Minha posição em relação  aos perfumes nacionais também é, de certa forma, incômoda. Assim como meu amigo Yvan, penso que há perfumes muito bons, aliás: espetaculares... com preços bem mais acessíveis que os nacionais e com uma projeção na pele inacreditável . Empresas como Natura, por exemplo, cobram de um perfume até 150,00 reais, quando posso ter um Cabotine, que adoro, por 79,00 reais. 
Não digo aqui que eu não compre ou não use os perfumes brasileiros. Pelo contrário: sou fã de alguns deles, mas creio que posso me realizar completamente com muitos importados de preços inacreditáveis.
Mascas famosas como Greès, Elizabeth Arden e de la Renta, por exemplo, têm preços maravilhosos e criações memoráveis. Há ainda as gratas surpresas dos garimpos. Geralmente, nas lojas do ramo, enquanto os glamourosos estampam as vitrines de todos os lados, num cantinho acanhado estão os
perfumes de segunda linha. Vejam só: segunda linha. A verdade é que essas obras podem conter matérias-primas com qualidade idêntica aos grandes nomes, mas, por pertencerem a marcas pouco reconhecidas, apresentam-se a nós com preços bastante tentadores.
Recentemente conheci um conjunto de perfumes indianos em roll-on, concentradíssimos (na verdade são óleos essenciais) e paguei por eles uma bagatela. São deliciosos e têm fixação de mais de mais de dez horas.
Por último, cabe lembrar aqui das versões "testers". São aqueles perfumes acondicionados em frascos cuja venda é proibida e servem para os lojistas usarem-nos como demonstradores. O preço dessas belezas pode cair bastante. Basta que encontremos alguém que possa vendê-los a nós. 
O importante, na verdade, é sentirmo-nos bem. E cheirosos. Para isso não é necessário gastarmos rios de dinheiro. Basta ter um bom faro e, principalmente, estilo. Hoje, por exemplo, passei o dia com meu Topaze, da Avon - uma versão bem baratinha (15,00) do imortal Chanel Nº  5 (rsrsrsr).

.................................................................................................................................................................
Leiam também as postagens dos meus colegas sensíveis e perfumados, nos seguintes blogs:
Dênis em: http://www.1nariz.com.br/
Diana Alcântara em: http://aloucadosperfumes.com/
Juliana Toledo em: http://lemondeest.blogspot.com.br/
Priscila Lini em: http://www.parfumee.com.br/
Elizabeth Casagrande em: http://www.perfumebighouse.com/
Carla Biscaglia em: http://pimentavanilla.blogspot.com.br/
Cris Nobre em: http://templodosperfumes.blogspot.com.br/
Vanessíssima CR em: http://www.vanmulherzinha.com/
Dâmaris em: http://villagebeaute.blogspot.com.br/






domingo, 3 de agosto de 2014

Agradecimento

Quero registrar aqui o meu muito obrigado a algumas pessoas que fazem este blog mais feliz. Tenho, graças a Deus, muitos seguidores fiéis aos quais já agradeci inúmeras vezes. Recentemente venho percebendo a presença constante de mais alguns recém-chegados, queridos, que fazem toda a diferença. Entre todos estes e aqueles, quero agradecer ao Afranio, ao Yvan, à Vana, à Sarah, à Lília, à Lily (múltiplas, maravilhosas... rsrsr), entre tantos outros queridos...
Aí vão algumas flores pra vocês!
Bem perfumadas!
Beijos!

Lady Lily

O Boticário não me surpreende com muita facilidade atualmente. Acho a maioria de suas novas fragrâncias reincidentes, pouco criativas, cansativas.
Mas desta vez preciso "dar a mão à palmatória": Lady Lily...
A fragrância me laçou imediatamente, com suas notas florais frescas que dão logo o recado: trata-se de um perfume delicado e singular. Aos poucos, um buquê primoroso se revela: flores brancas, orvalhadas, quase frias... Como se tivéssemos, por algum tempo, uma fragrância uniflore... sem complexidade. Um aroma floral doce e alegre, radiante, cintilante que se acomoda, aos poucos sobre um delicado fundo de baunilha e madeiras discretas, com o cuidado de não roubar a cena das flores, estrelas da composição. A base é discreta, límpida e as frésias, ylang ylangs, gardênias, jasmins e magnólias, perfeitamente combinadas, compõem um aroma único, de uma nova flor, que supera em muito a anterior Lily Essence: mais amarga, rascante e "suja" ao meu ver.
Lady Lily é nobre. Tem aquele tom de equilíbrio e comedimento que o afasta dos apelativos comerciais. Tem luz discreta e mesmo assim cintila e transparece... 
A fragrância me lembrou o tema de J'adore Cologne Florale, inspirado nas magnólias: floral, fresco, docinho, radiante e feliz.
Adorei!


quinta-feira, 31 de julho de 2014

Odor Ferino


Sabe-se que o feromônio é uma substância química excretada e captada por animais da mesma espécie. Não tem apenas função de atrair sexualmente um parceiro. Os feromônios emitem sinais de alerta sobre o perigo e também avisam aos outros integrantes de uma colônia, por exemplo, onde se encontra a comida.
Mas falemos de sua função sexual nos seres humanos.
Não há, ainda, uma comprovação científica de que mamíferos produzam, de fato, o feromônio. Entretanto, até entre nós, humanos, a questão do cheiro da pele pode ser determinante na hora de se escolher um parceiro, assim como a simetria do rosto, tom de voz etc.
Fato é que o cheiro natural de cada um tem influência na atração entre os parceiros e, obviamente, na repulsa. Se esse cheiro advém da liberação ou não do feromônio, ainda não podemos afirmar.
Na perfumaria, muitas fragrâncias dizem conter a substância "feromônio" sintetizada e prontinha para o uso. Quer dizer: você borrifa e está capacitada/capacitado para atrair um macho alfa (ou uma mulher maravilha) numa esquina qualquer (rsrsrs).
Na verdade, nada se comprovou a respeito desse poder de certos perfumes. A questão da atração está muito além de uma receita pronta que se encontra em qualquer frasco, mas posso afirmar, seguramente, uma coisa:
Independente de conter tal substância ou não, alguns perfumes exercem um forte poder de atração em quem o sente. Não só pelo cheiro agradável, o que já um ponto a favor de quem espera ser notado e desejado. Na verdade, há fragrâncias que despertam de fato nossa libido, nossa imaginação, nossa curiosidade. Perfumes contendo almíscar, por exemplo, são categóricos. O almíscar advém da glândula de um animal, o almiscareiro, e é usado como base de muitos perfumes femininos e masculinos. Logicamente, por razões óbvias, essas notas olfativas vem sido recriadas em laboratório. Há combinações de algumas plantas com certas resinas, por exemplo, que recriam odores como o do âmbar gris, do musk, entre outros. Das raízes da "angelica" e das sementes de um tipo de "hibisco", por exemplo, obtém-se óleos essenciais capazes de imitar o odor do âmbar e do almíscar.
Bem... como eu falava, o almíscar tem um cheiro quente, adocicado e visceral, capaz de combinar com notas florais e amadeiradas, ressaltando o caráter sedutor de um perfume. Ainda existe o âmbar gris, a civeta entre outros. 
São componentes que, dependendo da criação, podem ser um considerável estímulo na arte de seduzir.
Há muitos perfumes inspirados na arte animalesca de seduzir... Em breve falaremos de alguns deles.
Até lá!



terça-feira, 29 de julho de 2014

Sun Moon Stars

Tive acesso a esse perfume na década de 90 e confesso que, na época, não dei muita atenção a ele, por ter relacionado-o, de maneira bem pouco fundamentada, a Eternity, de CK. Realmente há algo que me leva a este último. Talvez o buquê floral romântico, típico dos anos 80, excetuando-se a violeta.
Depois, com o tempo (pra ser mais exato: hoje) voltei a senti-lo e percebi que a fragrância requer mais da minha atenção.
Pra começar, há algo mais exultante em Sun Moon Stars. A saída floral/frutal é explosiva e encantadora. Notam-se ondas suculentas e doces em meio à  delicadeza e feminilidade das flores. Flores de todas cores: rosas, jasmim, frésias... Um estimulante e inebriante mix de flores.
Curiosamente, após afastar o nariz do ponto onde aspergi a fragrância, percebo acordes densos, doces e talcados, persistentes, provavelmente vindos da combinação baunilha, sândalo e âmbar. Um aroma nada vaporoso. Pelo contrário: uma base que dá um tom oriental e um tanto "fechado"ao arranjo explosivamente floral do perfume, afastando-o de uma simples composição primaveril.
Son Moon Stars é um belo perfume. Propicia-nos uma experiência um pouco mais que angelical com as flores.
Seu nome alude aos principais corpos celestes, do dia e da noite. Perfeitamente compatível com as características da fragrância, que não se restringe, não se limita e ainda representa essa festa da beleza e do encantamento.
Lindo!

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Omnia Crystalline

Limpo e cintilante. Talvez sejam os adjetivos que mais caibam para descrever essa fragrância.
A obra é rosada, fresca e inspiradora. Tem cheiro de manhã primaveril e de tardes estivais, embaladas por ventos perfumados.
Abre-se floral e discretamente verde. Imediatamente, faz-se sentir o odor fresco de água corrente ou de flores orvalhadas, que abraça tudo, vindo da pera e das delicadas notas de chá.
Ao fundo, o arremate do musk, combinando perfeitamente com as sutis e persistentes nuances florais.
Curiosamente, durante a evolução do perfume na pele, devido ao adocicado frescor que a composição emana, tive a impressão de sentir notas de menta ou hortelã.
Ao fundo, pra não dizer que seu efeito cristalino perdura até o último suspiro, temos notas discretas de madeira, sugerindo um delicado incenso.
Penso que minha amiga Sarah, do blog Parfums et Poésie, certamente gostará, uma vez que torna-se inevitável não relacionar as impressões desta fragrância com alguma melodia doce ou uma poesia orvalhada de belezas...
Criado em 2005, por Alberto Morillas, parceiro consagrado de Jacques Cavallier.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Jacques Cavallier

Esse cara é um dos maiores narizes do mundo, a meu ver. 
Nasceu em 1962, em Grasse, cidade da França conhecida mundialmente pelos campos de flores cultivados para a perfumaria e também pelos inúmeros laboratórios de marcas consagradas.
Filho e neto de perfumistas, aos dez anos de idade já se dedicava a conhecer as matérias primas e a arte da criação de aromas. Passava temporadas de verão nos laboratórios de sua cidade natal e também estudando com o pai, o que lhe deu um conhecimento notável.

Durante o colegial, continuou trabalhando na área e também cursou Inglês e Espanhol na Universidade de Nice.

Mais tarde, aos 28 anos, o encontro de Cavallier com Alberto Morillas (seu grande parceiro de criações) e Chantal Roos (grande inspiradora para ícones da YSL, desde 1976), com quem criou as primeiras obras memoráveis, foi decisivo. 
O perfumista tem estilo versátil e transita facilmente entre muitos temas e tendências da perfumaria. É conhecido como uma pessoa complexa e dotada de um agudo e fino senso de humor.
Sua fama no mundo dos aromas é relacionada ao seu vasto e raro conhecimento de matérias-primas naturais e também, por caminhar com desenvoltura em qualquer direção olfativa, torna-se um curinga para as maiores casas de perfumes do mundo, como YSL, para quem criou algumas de suas principais fragrâncias.
Jacques Cavallier traz no currículo obras como Rive GaucheNuL'eau d'IsseyTroubleCinéma, entre outras e outras grandes criações
O perfumista esteve no Brasil em 2011, para lançar uma linha de perfumes que criou para a marca Polo de Deauville.